segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Propaganda de contos.

Esclarecendo
Primeiro de tudo, eu quero deixar bem claro aos amigos de publicidade e demais envolvidos nessa área, que eu não tenho nada contra a profissão, ao contrário, sou aspirante á comunicação, mas eu preciso expor aqui uma opinião.
Fim de ano temos o Natal, cuja data levanta muitas críticas, burbúrios sobre o seu verdadeiro sentido.
Vamos começar logo com o personagem principal da história, ou ao menos deveria ser. Jesus Cristo Nazareno. Lembra? Aquele, que nasceu em Belém da Judéia, em berço humilde (manjedoura), conhecido como a luz do mundo, sal da terra, o caminho, a verdade e a vida, o Salvador, o príncipe da paz, e por onde passava, curava, fazia milagres, pregando a palavra e foi pregado numa cruz(sem trocadilhos).
Só que a maioria das músicas natalinas, são dedicadas ao Papai Noel. Quem? Papai Noel? Esse mesmo. Vamos a ele. Papai Noel ou S. Nicolau de Mira, conhecido também como Santa Claus, nascido em Patara, foi considerada uma grande cidade do comércio marítimo da Grécia Antiga, atualmente próximo a Turquia. Mais tarde depois da morte de seus pais, Nicolau fez algumas viagens, retornando, decidiu morar em Mira. O bom velhinho é também considerado padroeiro dos Marinheiros, da Rússia, da Grécia, e das crianças.

Papai Noel X Jesus Cristo.

O Papai Noel vem perdurando, por gerações, e nada mais é do que, o garoto propaganda, pelo menos o da roupinha vermelha. O S. Nicolau foi associado ao natal na Alemanha. No final do século XIX, o bom velhinho era apresentado com roupa de inverno marrom ou verde-escuro. Em 1886 o cartunista alemão Thomas Nast criou a nova imagem do Papai Noel, com as roupas que conhecemos hoje, só então em 1931 a Coca Cola utilizou essa figura do Noel em sua campanha publicitária, espalhando a sua imagem por todo o mundo.
Nas lojas, podemos encontrar muitos bonequinhos, representando um senhor gorducho, branquinho de pele rosada, barba branca e grande, de roupa vermelha, cinto, e botas pretas, as vezes com um saco vermelho, ou não. É fácil também encontrarmos, toucas vermelhas para comemorar o natal de uma maneira divertida, para passar com a família, agradar os filhos, fazer piseiro pela noite, ou então para as lojas exporem seus funcionários. (Pior que eu não consigo me acostumar a chegar em um lugar e ser atentida por uma vendedora ou vendedor noel, cada ano é um susto).
Quase esqueci dos cartões, simples, musicais, virtuais, e não poderia faltar o bendito Papai Noel sentado numa cadeira de um shopping. Os pais que por ali passam dizem a seus filhos para sentar no colo do Papail Noel e bater uma foto. Como o cara está sendo pago, então ele pergunta: - Hou, Hou, Hou... o que você quer ganhar...?
A criança que está sentadinha no colo do tal Noel, responde num tom tímido, ou as vezes naquele tom mais espertinho. - "Eu quelo ganhá um pesenti di natal. Uma boneca da bárbi, com a casinha completa (meninas). Eu quelo um play staxion, ou X-Boxxx(menino).
Então ele da um beijo na criança, um pirulito e diz que a para a criança ser comportada para poder ganhar o presente de natal. Inclusive isso gerou uma discussão entre os acadêmicos do curso de Licenciatura em Música, na Oficina de Tecnicas para aplicação do Ensino de Música na Sala de aula Formal em novembro de 2010 no Polo de Música de Ariquemes. Mas isso fica para a próxima.
Voltando ao assunto. São enfeites que não acabam mais, tem para todos os gostos, árvores de natal verde, branca, colorida, festões, pisca pisca, as bolinhas de enfeites, magueiras luminosas, cascatas de luz, etc... Reunir a família em casa, os amigos, até mesmo aqueles que só vão pentelhar. Ah! Não pode faltar... os presentes. Embaixo da árvore, ou no amigo secreto, na cabeceira da cama, em cima da mesa, ou mesmo um dia de diversão, com uma maravilhosa viagem com a família e/ou amigos, o que não impede nadinha, de se comprar presentes, certo?
A mesa farta, e os mais velhos, geralmente são mais tradicionais, praticamente obrigam a todos esperarem a Meia Noite para ceiar. Então todos se abraçam e desejam Feliz Natal, de repente ouve-se um "Que Deus abençoe sua vida". Nem que seja por um instante, mas apareceu. Comendo, bebendo, bebendo e bebendo, conversa vai, conversa vem, e de vez em quando o marido deixa escapar que a sua mulher não se depila ou a mulher diz que seu marido deixa a cueca jogada no chão. Os mais jovens ficam fazendo as suas baguncinhas entre si, falando daquela mina que pegou, e as que eles não conseguiram pegar, fala que são sapatões, as moças contam com detalhes como foi a noite com o fulano. A molecada então, falam sobre o video game caro que o pai comprou, a tia gostosa e o tio maravilhoso (professor(a)). Eu me lembro de ter ouvido uma conversa assim uma vez, foi inacreditável, mas eu ouvi.
Mas peralá, o Natal é pra comemorar o nascimento de Jesus, que aliás é outra coisa que eu não entendo, as datas não batem, e não nevou, e quem garante que Jesus era branquinho dos olhos verdes ou azuis?
Algumas igrejas relutam em comemorar o natal, até aconselham seus fiéis para esquecerem o bendito pinheiro decorado, e cada uma conta uma historia, que o pinheiro representa os postes onde queimavam os cristãos, as bolinhas seriam as cabeças de inocentes que eram massacrados e seus sangues eram oferecidos a deuses, as luzes seriam as velas e tochas de magia negra, etc.
Mas, fora isso, a mídia papai noel vai bem obrigada. As lojas, supermercados, shoppings, parques, restaurantes agradecem pela preferência, e voltem mais vezes. Próximo ano tem mais.

E.B

3 comentários:

  1. nfelizmente é assim, e nunca mudará! Pois o consumismo/capitalismo já está à frente do verdadeiro sentido do Natal há décadas.
    Porém felizes os que reconhecem que só Jesus é Rei, e que Ele nasceu para nos dar Vida, e vida em Abundância.
    Bjo!

    ResponderExcluir
  2. Verdade. e mais felizes ainda em saber que ele não nasceu no dia 25 de dezembro heheh

    ResponderExcluir